Será que é por isso que você ainda não é fluente em inglês?

É preciso mais do que conteúdo para aprender uma língua

Hello student, how are you?

Nesse texto você não vai aprender nenhum conteúdo novo e nem praticar inglês. ESPERE! Continue lendo, se dê a chance de saber algo que pode mudar a forma como você aprende inglês, e pode ser um divisor de águas para você.

Para aprender um idioma a gente acha que o que realmente precisamos é estar em contato com a língua, aprender vocabulários novos, praticar escuta, leitura, fala, gramática e por aí vai. Mas às vezes podemos estar esquecendo um fator essencial para a aprendizagem bem sucedida de qualquer coisa na vida: a AUTOESTIMA.

O nosso cérebro funciona assim: quando pensamos em algo pela primeira vez, ou quando aprendemos alguma coisa nova, esse conteúdo é registrado na nossa memória de curto prazo. Por exemplo, quando você pensa que precisa comprar fio dental, essa informação é registrada na sua memória de curto prazo. Se você não pensar nisso novamente, escrever em um post-it ou um lembrete no celular, existe grande chance de você esquecer que precisa comprar fio dental. Somente quando você força o seu cérebro a pensar nisso novamente, é que essa informação passa para a sua memória de longo prazo, onde fica armazenada por mais tempo e você será capaz de lembrá-la com mais facilidade.

Esse é um exemplo bem simples, só para você entender como a nossa mente funciona. Agora imagine como o seu cérebro registra informações toda vez que você pensa: Inglês é difícil, eu não consigo aprender, não nasci para isso, meus colegas de trabalho falam muito melhor do que eu, tenho vergonha de falar inglês na frente de outras pessoas, não adianta estudar porque não vou lembrar isso depois, não tenho tempo de estudar em casa, melhor estudar espanhol, sou um zero à esquerda em idiomas, só tenho jeito para exatas, melhor esquecer aquela promoção, não vou conseguir passar na entrevista em inglês.

Seja sincero com você mesmo, é com muita ou pouca frequência que você pensa essas coisas? Quanto estímulo negativo você tem alimentado o seu cérebro? Dessa forma você acha que está ajudando ou atrapalhando o seu processo de aprendizagem? 

Imagino que você esteja pensando que tudo isso é bobagem, que um pensamento não tem tanto poder assim. 

De fato, UM pensamento não tem tanto poder, mas se você pensar nisso várias vezes, constantemente, ele se torna um padrão, uma realidade para você. Eu sei bem disso, eu penso assim sobre matemática, me acho uma verdadeira 'loser' com números, nem tento entender. E confesso que me pego pensando assim sobre o curso de alemão. É por isso que estou escrevendo esse texto para compartilhar com você, pois continuar pensando assim vai prejudicar a nossa aprendizagem. 

É preciso ter AUTOESTIMA para aprender algo novo. Autoestima é a capacidade de enxergar valor em si mesmo, é confiar que temos capacidade de compreender e que não sabemos algo AINDA, mas com esforço e dedicação é POSSÍVEL aprender. 

AUTOESTIMA é como um músculo e pode ser desenvolvida, quanto mais você usar, mais você terá. A autoestima é desenvolvida quando focamos nos nossos sucessos. Infelizmente é muito mais fácil pensarmos no que não conseguimos fazer, do que no que fazemos bem, é a nossa natureza. Mas com consciência podemos mudar esse padrão mental. Como podemos desenvolver a AUTOESTIMA:

1. Basear nossas ações e decisões em pensamentos racionais e não em emoções. Podemos trocar o pensamento: 'Não vou fazer essa tarefa porque estou com preguiça', por 'Vou fazer essa tarefa porque na próxima aula vou ter mais facilidade para entender a matéria'.

2. Praticar a auto-discussão positiva. Pensar que não sabemos algo AINDA é mais produtivo do que pensar que não sabemos algo porque somos incapazes de aprender, ou porque é muito difícil. Nos tornamos aquilo que pensamos com frequência, se pensamos que é difícil aprender um idioma, estamos reforçando essa mensagem e registrando isso cada vez mais forte em nossa mente.

3. Registrar os sucessos para ajudar a mente a lembrar deles. Essa é a forma mais eficiente de desenvolver a autoestima. Faço isso e dá muito certo. Veja como fazer: desenhe em uma folha sulfite um calendário mensal (ou imprima um, na internet há vários já prontos). Pense no que você quer realizar, por exemplo, estudar inglês por 20 minutos todos os dias. Cada vez que você fizer o que se 'auto' prometeu, você dá um OK no dia em que realizar a ação. Deixe essa folha impressa em um lugar visível, na sua geladeira, por exemplo. Essa simples ferramenta tem o poder de fazer você se sentir capaz de realizar, e o seu OK manda uma mensagem para o seu cérebro de dever cumprido. Sua satisfação pessoal aumenta, você experimenta uma sensação de SUCESSO, missão cumprida. Sua mente se enche de uma substância química chamada DOPAMINA. Quando realizamos ações que nosso corpo avalia como benéficas, a dopamina é liberada, criando assim uma sensação subjetiva de prazer que nos leva a repetir tais comportamentos. O simples fato de dar um OK pela ação realizada faz com que você crie um novo padrão de conduta, aumentando assim a sua percepção de SUCESSO e a sua AUTOESTIMA.

Nosso cérebro é pouquíssimo explorado, sabemos disso, mas as poucas informações que a neurociência já descobriu podem e devem ser aplicadas para sermos mais eficientes nas ações que realizamos no dia a dia.

Você acredita que pode ajudar a sua mente a aprender melhor? O que você pensa sobre esse assunto?

Um grande abraço,

Teacher Marcela